História inspiradora de mexicana usando sandálias de 100 km de comprimento

Matérias Oficiais(+10% Clicks) Amélia 21/06/2020 Relatar Quero comentar

Foi em um daqueles vídeos motivacionais do Facebook que eu descobri María Lorena Ramírez, uma corredora mexicana de 25 anos. Além de disputar ultramaratonas –corridas com distância maior do que os 42 quilômetros das maratonas tradicionais–, ela chamou a atenção do mundo por fazer isso usando: SAIA E SANDÁLIAS.

Lorena vive no município de Guachochi com a família. Seu povo é conhecido como rarámuri, que significa pés ligeiros. Vivem isolados, em meio à natureza, numa região de serras, por onde correm com a mesma desenvoltura que demonstram em provas oficiais. Foi o pai, Santiago Ramírez, quem começou a participar das corridas. E foi levando os filhos. A primeira prova em que inscreveu Lorena era uma corrida de 10 quilômetros. Ela ganhou.

Depois disso, passou a disputar provas de 50 e 100 quilômetros. Eu sempre nutri admiração especial por pessoas que correm longas distâncias, talvez por ter uma ideia do esforço surreal que isso exige, além da disciplina e do treino necessários para conquistar a resistência e a forma física que permitem uma superação desse tamanho.

Quando vi as sandálias que Lorena usa para correr, chamadas huaraches, fiquei chocada. Com tênis, amortecedor e mil apetrechos, a gente já chega cheia de dor, tanta gente se lesiona, tem bolha nos pés. Como corre 100 quilômetros de sandália, meu Deus?

Fui pesquisar mais sobre Lorena. Com o sucesso que fez, ela ganhou páginas de alguns jornais e revistas. Foi convidada para disputar provas na Europa –a primeira mulher rarámuri a ter esse mérito. Participou até de um ensaio da revista "Vogue" mexicana.

Comentário do usuário