Brasil negocia tecnologia para produzir a vacina contra Covid-19

AtuaisNews 21/07/2020 Relatar Quero comentar

Segura e capaz de desenvolver anticorpos contra o novo coronavírus. Assim é avaliada a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com a biofarmacêutica sueca AstraZeneca, que, além de ser testada no Brasil, poderá ser produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde.

A terceira etapa do ensaio, que vai experimentar essa vacina não só no Reino Unido, mas também no Brasil e na África do Sul, já está sendo iniciada. Entre as 50 mil pessoas que vão receber as doses, 5.000 são brasileiras.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ligada ao Ministério da Saúde, confirma que acerta detalhes de um acordo com a AstraZeneca para adquirir lotes do medicamento e para a transferência de tecnologia da vacina, que poderá vir a ser produzida no Brasil. Há previsão de que o país já tenha acesso a doses a partir do fim deste ano e passe a fabricar a vacina a partir do começo de 2021.

Anticorpos

A renomada revista científica The Lancet divulgou nesta segunda-feira que as 1.077 pessoas que, no Reino Unido, participaram das fases iniciais do estudo, recebendo doses da vacina, entre 23 de abril e 21 de maio, produziram anticorpos e glóbulos brancos para combater o novo coronavírus.

Outra conclusão positiva do ensaio apontada pela divulgação científica é que a vacina de Oxford não apresentou nenhum efeito colateral grave.

Duas vacinas conta a Covid-19 de origem chinesa também se destacam como possíveis tratamentos no combate à atual pandemia que assola o mundo. Uma delas, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech, começa a ser testada no Brasil nesta segunda-feira –  –, em um trabalho conjunto com o Instituto Butantã, de São Paulo.

Comentário do usuário