Morte de Reckful reacende debate sobre saúde mental e cultura do cancelamento

Filomena 06/07/2020 Relatar Quero comentar

A morte do stremaer Byron ‘Reckful’ Bernstein aos 31 anos na última quinta-feira (2) reacendeu nas redes sociais o debate sobre o estigma que gira em torno da saúde mental e os efeitos da cultura do cancelamento.

Reckful cometeu suicídio logo após pedir sua namorada, Rebecca, em casamento pelas redes sociais. ‘Becca’, também é conhecida no mundo dos gamers, ela é jogadora de Teamfight Tactis da Goldem Guardians.

O jogador profissional de World of Warcraft e influencer, com mais de 900 mil seguidores no Twich (plataforma de streaming de jogos), pediu aos seguidores que não pressionassem a garota. Ele afirmou que não via Becca fazia seis meses.

O pedido não chegou a ter resposta. Segundo Becca, antes que ela visse, ele já tinha ido. Ela disse, no entanto, que isso não mudaria o fato que ela “não foi capaz de estar lá por ele”. 

“Nos amamos, mas foi difícil. Eu fui extremamente insegura quando se tratava dele, não podia nem me reconhecer. Não sinto que eu fui capaz de ser a pessoa que ele precisava em sua vida”, disse.

Saúde mental

Depois do pedido, ele passou a ser criticado nas redes. Seguidores consideraram a atitude do rapaz constrangedora, pediram para ele deletar o post e falaram para ele que o pedido deveria ser feito pessoalmente. 

Reckful fez outros posts nos quais comentou sobre sua “insanidade”. “Por favor, apenas saibam que, nessas situações, a pessoa insana não se sente no controle de suas ações”, disse.

Ainda assim, as críticas continuaram. Em janeiro, ele compartilhou um vídeo no Youtube no qual falou sobre seus problemas com depressão e contou que tinha perdido um irmão, vítima de suicídio.

De acordo com Becca, ele ainda sofria com a depressão. “Ele me fez perceber que eu não sabia nada sobre depressão, não sabia...

Comentário do usuário