Os novos “adelios BISPOS” querem liquidar com o presidente

EM DIREITA 01/08/2020 Relatar Quero comentar

Sou cristão, nunca conheci outra religião, mas, aprendi a respeitar todas as religiões. Temos hoje um presidente que se denomina católico, porém, casado com uma evangélica.

 

O primeiro presidente a usar o nome de Deus no slogan:

“Brasil acima de tudo, Deus acima de todos.”

E para completar, escolheu o versículo bíblico João 8:32:

“Conhecereis a verdade e a verdade o libertará."

Pronto. Foi o bastante para desencadear críticas, de uma minoria ensurdecedora, antes e depois de eleito.

Diziam que o estado é laico, portanto, não cabe falar de Deus ou de religião; que sua vitória seria indício de retrocesso, que o Bolsonaro é o anticristo, etc.

As críticas só serviram para aumentar a popularidade do então candidato.

Assim, para detê-lo foi preciso providenciar um Adélio Bispo para matá-lo sob o pretexto de que o sujeito era um louco solitário.

Depois de um verdadeiro calvário, saiu com vida. Foi eleito com exatos 57.796.986 votos. Os derrotados nas urnas, prometeram: “vamos tomar o poder!”

Desde então instalou-se um cabo de guerra. De dentro da cadeia, o ex-presidente Lula dava as coordenadas para dar um pouco de luz ao seu candidato poste. Os inconformados com a vitória do "fascista" vem fazendo aliados. Veterana no poder, a oposição conhece todas as artimanhas para por em prática sua promessa.

Depois de deixar a prisão em novembro de 2019, a primeira viagem que o ex-presidente Lula fez foi uma visita ao Papa Francisco, no dia 13 de fevereiro desse ano, por quem foi recebido em audiência, para tratar assuntos de sua preocupação com o governo Bolsonaro e sobre lutar por um mundo mais justo.

Talvez seja apenas coincidência, mas, vejo relação e dedo do Lula em uma carta, divulgada no dia 26 de Julho, intitulada "carta ao povo de Deus", em que Bispos com “profunda comunhão com o Papa Francisco” visam rechaçar o presidente até o limite do absurdo. Muitas das falas do Lula coincidem com as criticas contidas na carta.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário