Bolsonaro precisa decidir se é presidente ou estorvo

Miryan 15/06/2020 Relatar Quero comentar

Jair Bolsonaro sugeriu numa transmissão ao vivo que as pessoas arrumem maneiras de invadir hospitais de campanha para filmar e fiscalizar o uso de verbas públicas. Espantoso! Quem invade uma UTI, sujando a assepsia do ambiente e se expondo ao risco de contrair covid-19 é um imbecil sujeito a ser enquadrado no Código de Processo Penal. Um presidente que vai às redes sociais para estimular a imbecilidade e o crime revela que a sua Presidência virou uma espécie de latifúndio improdutivo à espera de um governante que se disponha a invadi-la.

Desde que a pandemia chegou ao Brasil, o país espera por uma definição de Bolsonaro. Ele precisa decidir se é presidente da República ou um estorvo para atrapalhar a vida de quem deseja combater o coronavírus. Bolsonaro se absteve de compor um comitê nacional de crise, expurgou dois ministros da Saúde, transformou o ministério numa unidade militar, cedeu cargos sanitários ao centrão e tentou esconder uma pilha de mortos embaixo do tapete.

Já estava entendido que o presidente não quer ajudar. Bolsonaro poderia privar o país do dissabor da constatação de que pode haver no Planalto um sabotador da saúde pública. Contrariando a prudência e o bom senso, Bolsonaro meteu-se numa aposta perdida quando imaginou que seria possível terceirizar os problemas da pandemia a governadores e prefeitos. Caberá aos eleitores aferir o tamanho dos erros e dos acertos cometidos pelos gestores públicos na pandemia.

Enquanto tenta sobreviver no cargo para chegar vivo ao julgamento das urnas, Bolsonaro poderia respeitar ao menos os órgãos de controle do Estado brasileiro. A Controladoria-Geral da União, o Ministério Público e a Polícia Federal se equiparam para fiscalizar a aplicação das verbas investidas na crise do vírus. A julgar pelas manchetes, o esforço vem dando resultados. O presidente não precisa estimular a invasão de hospitais para obter ilegalmente o que está sendo conseguido com respeito à lei.

Comentário do usuário
Você pode gostar