Efeitos da pandemia: placas de locação de imóveis se espalham pelo centro de Valadares

EM DIREITA 31/07/2020 Relatar Quero comentar

A principal atividade econômica de Governador Valadares, o comércio, entrou em colapso desde o primeiro caso da Covid-19, em março. Mesmo diante dos decretos de flexibilização, está longe de ser o que era antes, ou pelo menos perto disso. Quem tem ponto comercial na região central da cidade sofre para manter o pagamento em dia. Inquilinos buscam negociar individualmente os contratos de aluguel, pelo menos provisoriamente.

Os lucros do setor imobiliário vêm principalmente dos aluguéis, que, embora sejam definidos em contratos, podem ser reajustados ao longo do tempo. Com o fechamento dos estabelecimentos, devido à pandemia, os locatários não veem outra alternativa a não ser entregar o ponto. Basta caminhar pelas ruas Israel Pinheiro, Bárbara Heliodora ou Marechal Deodoro – algumas das principais vias do Centro – para ver a enorme quantidade de placas de aluguel.  

Leia também

Moradores tentam negociar o aluguel em tempo de pandemia

Coronavírus: Como fica o pagamento dos aluguéis?

Prazo para pagamento do IPTU 2020 é prorrogado até o dia 31

Proprietários de imobiliárias estão tendo dificuldades de encontrar inquilinos ou manter os atuais. Segundo recente pesquisa do  no Brasil, mais de 522 mil empresas foram fechadas apenas na primeira quinzena de junho, em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Em Minas Gerais não é diferente. São aproximadamente 144 empresas extintas por dia. Somente em junho foram encerrados 3.440 negócios no estado, o que gera duas situações de extrema gravidade e consequências: primeiro, aumenta o número de desempregados; segundo, leva ao fechamento de imóveis comerciais alugados.

Conforme o especialista em direito imobiliário Castor Amaral Filho, Valadares sente ainda mais os efeitos da pandemia, uma vez que sua economia é sustentada em boa parte pelo comércio varejista.

“A crise no mercado imobiliário, comercial e residencial, com o fechamento das empresas, leva os empresários, vendo suas vendas diminuírem, a devolver os imóveis alugados aos seus proprietários, os quais, por sua vez, perdem a sua renda, diminuindo sua qualidade de vida. Uma caminhada rápida pelo centro comercial da cidade nos faz constatar a existência de várias lojas fechadas, seja por mudança de endereço (para um imóvel mais barato, ainda que em um ponto menos favorável), seja por fechamento da empresa em definitivo”, disse Amaral.

Para o especialista, uma vez fechado o negócio, os empregados são demitidos. E como muitos deles residem em imóveis também alugados, outra consequência é o atraso no pagamento dos aluguéis residenciais e encargos da locação. “Na minha visão, o novo coronavírus veio contaminar não apenas os seres humanos, mas a própria economia, levando à morte de empresas até então saudáveis e geradoras de renda e empregos”, comentou.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário