Mais pobres têm o dobro do risco de se infectarem com coronavírus no Brasil

Amélia 08/07/2020 Relatar Quero comentar

O EPICOVID19, projeto que mapeia a epidemiologia do novo coronavírus no Brasil, deixará um legado. Poucas vezes uma pesquisa científica chegou tão perto das pessoas no país. Os resultados são divulgados quase em tempo real, a cobertura da mídia tem sido incrível e os resultados publicados nas melhores revistas científicas.

O estudo nacional, conduzido em 133 cidades de todos os estados da federação, traz resultados que merecem destaque. A pandemia se comporta de forma muito distinta entre as regiões do Brasil: no Norte, cerca de 10% da população tem ou já teve coronavírus. No Sul, esse percentual ainda é abaixo de 1%.

A palavra desigualdade também salta aos olhos sob os pontos de vista socioeconômicos e étnico-raciais. Em todas as fases da pesquisa, as pessoas mais pobres apresentaram o dobro do risco de infecção em comparação às mais ricas. Além disso, indígenas apresentam um risco cinco vezes maior do que os brancos.

A EPICOVID19 mostrou ainda que as crianças têm a mesma chance dos adultos de contraírem o vírus. E que quase 89% das pessoas infectadas apresentam algum sintoma, divergindo do entendimento corrente de que a maioria das infecções é assintomática. O sintoma de perda de olfato ou paladar foi relatado por quase 60% das pessoas infectadas.

A pesquisa estimou que, de cada 100 infectados pelo coronavírus, um vai a óbito. E que, havendo um morador infectado na casa, a chance de os outros moradores também serem infectados é de 40%.

Confirmando a teoria do iceberg, que inspira o logotipo do projeto, o estudo mostra que o número real de pessoas com anticorpos é pelo menos seis vezes maior do que o número de casos que aparece nas estatísticas oficiais.

O questionamento agora é sobre o futuro do EPICOVID19. Como sempre acontece na ciência brasileira, o financiamento parece ser o maior desafio. Mesmo com o amplo apelo popular pela continuação da pesquisa, não há ainda garantias de que isso vá ocorrer. Os pesquisadores continuam aguardando posição do Ministério da Saúde sobre o tema.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.