Dexametasona pode ser uma nova esperança para tratamento da Covid-19

Hora da Notícia 16/06/2020 Relatar Quero comentar

O prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), vai assinar, nesta quarta-feira (16), protocolo para que o corticóide dexametasona seja a primeira alternativa na escolha dos médicos para tratamento de casos graves de Codiv-19 nos hospitais de Teresina.

O secretário de Governo, Fernando Said, informou que o corticóide dexametasona já era incluída no tratamento de pacientes com quadro de saúde mais grave pela Covid-19.

Pesquisadores britânicos afirmam que encontraram a primeira droga que, comprovadamente, reduz a incidência de mortes pela covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. De acordo com cientistas da Universidade de Oxford, em resultados apresentados na terça-feira (16), houve redução de um terço das mortes em pacientes que precisavam de tratamento com oxigênio e receberam o corticoide dexametasona.

A droga, que tem efeito anti-inflamatório. é de baixo custo, e o Ministério da Saúde do Reino Unido confirmou que vai inclui-lo no tratamento da covid-19 —a OMS (Organização Mundial da Saúde) ainda não se pronunciou.

Segundo os cientistas , o estudo, parte do Recovery (Randomised Evaluation of Covid-19 Therapy, ou avaliação randomizada da terapia contra a Covid-19), mostra os resultados para 2.104 pacientes selecionados aleatoriamente, que foram medicados com a dexametasona, por via oral ou intravenosa. Eles foram comparados a 4.321 pacientes tratados convencionalmente. Os números mostram que a redução de mortes foi de 35% para pacientes que precisavam de tratamento com respiradores e 20% para os que precisavam de suporte de oxigênio. Houve registro de que a droga seja eficiente em casos menos severos, com apenas 13%. "Este é um resultado extremamente bem-vindo", disse Peter Horby, da Universidade de Oxford.

Comentário do usuário
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.