Futuro empregador de Weintraub, Banco do Mundial tem código de conduta que proíbe discriminação

Filomena 22/06/2020 04:05 Relatar

 Investigado por racismo contra chineses e por chamar ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de “vagabundos", o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub terá de se submeter a padrões de conduta extremamente rígidos em relação a discriminação e assédio caso sua ida para o Banco Mundial seja confirmada. O código de conduta do banco, ao qual O GLOBO teve acesso, veda qualquer tipo de discriminação por nacionalidade, religião, entre outros motivos.

A ida de Weintraub ao Banco Mundial foi anunciada por ele em um vídeo postado em redes sociais no qual estava ao lado do presidente Jair Bolsonaro na quinta-feira. Ele foi indicado para o cargo de diretor-executivo da instituição na vaga que pertence ao grupo de nove países liderado pelo Brasil após sua permanência no Ministério da Educação (MEC) se tornar insustentável.

Sonar: "Banco Votorantim nunca quebrou": posta Weintraub no Twitter em resposta a Rodrigo Maia

Weintraub é investigado por racismo em inquérito que tramita no STF por ter feito postagens indicando que a China iria se beneficiar com a pandemia do novo coronavírus e por ironizar a forma de falar dos chineses. Ele também é alvo no inquérito das fake news que tramita no Supremo. Durante uma reunião ministerial em abril, ele chamou ministros da Corte de vagabundos e disse que, por ele, mandaria todos para a cadeia.

O código de conduta do Banco Mundial, no entanto, condena atos de desrespeito e discriminação praticados por membros do conselho da instituição. “Oficiais do conselho devem tratar seus colegas e funcionários com cortesia, respeito, promovendo um ambiente de trabalho positivo sem assédio, incluindo assédio sexual, ou discriminação”, diz um trecho do documento.

Nesse código, o banco descreve o que entende como discriminação: “Discriminação deve se referir a qualquer diferenciação injustificável entre indivíduos ou grupos entre os membros do conselho ou do staff das organizações (que compõem o Banco Mundial) com base em características pessoais como idade, raça, cor, gênero, orientação sexual, idioma, habilidade física, opinião política, nacionalidade ou origem social, religião ou credo”.

Ao longo de sua trajetória como ministro, além de se referir de forma irônica aos chineses, Weintraub também fez referências controversas envolvendo a comunidade muçulmana. Em uma entrevista, ele disse que as universidades públicas brasileiras eram repletas de plantações de maconha e comparou-as a “madrassas de doutrinação”, em uma referência a escolas religiosas muçulmanas.

Parte do conteúdo do artigo é proveniente da Internet. Se seus direitos de privacidade forem violados, o site será processado o mais rápido possível. Relatar
Artigos recomendados

©2020 ouugame.com. All Rights Reserved. Sobre nós Política e segurança Termos Privacidade Direitos autorais

Isenção de responsabilidade:Este site opera enviando artigos em tempo real e não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa apenas as opiniões pessoais do autor e não é a posição deste Site. Os usuários devem julgar a autenticidade do conteúdo. O autor possui os direitos autorais do artigo publicado neste site. Como este site é restrito pelo modo de operação "publicação em tempo real", não podemos monitorar completamente todos os artigos. Se os leitores encontrarem problemas, entre em contato conosco. Este site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e recusar qualquer pessoa a publicar artigos neste site e também o direito de não excluir o artigo.Não escreva palavrões, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais, seja disciplinado. Este site reserva todos os direitos legais.
TOP
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.